Spain Japan Russia Usa India
GlobalBrands

Métodos para Avaliar Ativos Intangíveis

A pesquisa sobre a mensuração de Ativos Intangíveis, ou apenas do Capital Intelectual, das empresas tem produzido uma infinidade de propostas de métodos e teorias nos últimos anos. Esse artigo oferece um resumo da investigação de 17 abordagens. Nos casos onde o leitor queira obter mais informações, são oferecidos os endereços de links da web onde será possível pesquisar com maior profundidade. 

É possível distinguir pelo menos 4 categorias de metodologias de avaliação, aqui organizadas conforme a classificação sugerida por Luthy (1998) e Williams (2000). Mantivemos as designações em inglês para facilitar as suas pesquisas subsequentes: 

Direct Intellectual Capital Methods (DIC). Estima o valor monetário dos ativos intangíveis pela identificação dos seus vários componentes que, quando estimados, podem ser diretamente avaliados de maneira direta ou como um coeficiente agregado. 

Market Capitalization Methods (MCM). Calcula a diferença entre a capitalização de mercado de uma companhia e os ativos dos acionistas (stockholders’ equity) como o valor de seus recursos importantes ou ativos intangíveis. 

Return on Assets Methods (ROA). A média das receitas antes dos impostos de uma empresa, em um determinado período, é dividida pela média de valor dos seus ativos tangíveis. O resultado é o ROA (return on assets – retorno sobre ativos), que é então comparado com a média do seu segmento. A diferença é multiplicada pela média dos seus ativos tangíveis para calcular a média anual de receitas dos intangíveis. Dividindo a média superior pelo custo médio de capital ou uma taxa de juros, pode-se obter uma estimativa do valor dos Ativos Intangíveis ou Capital Intelectual. 

Scorecard Methods (SC). Os vários componentes de ativos intangíveis ou do capital intelectual são identificados e os indicadores e os deslocamentos predeterminados são gerados e relatados nos scorecards ou como gráficos. Os métodos do SC são similares aos métodos de DIC, pois espera-se que nenhuma estimativa será feita sobre o valor monetário dos Ativos Intangíveis. Um deslocamento predeterminado composto pode ou não pode ser produzido. 

Os métodos possuem vantagens diferentes. Aqueles que contemplam avaliações financeiras, como o ROA e MCM, são bastante úteis em fusões e aquisições (M&A) e para avaliações de mercado. Eles podem também ser utilizados para comparações entre empresas do mesmo segmento, ilustrando o valor financeiro dos ativos intangíveis, um atrativo para muitos empresários. Finalmente, porque eles são construídos sobre bases contábeis tradicionais, tornam-se mais fácilmente comunicados entre aqueles mais afeitos à contábilidade tradicional. Suas desvantagens são que traduzir quase tudo em termos financeiros pode ser algo muito superficial. Os métodos ROA são muito sensíveis às suposições das taxas de juros e de uso limitado para finalidades da gerência abaixo do nível do conselho de administração. Diversos deles são de quase nenhum uso para organizações não-lucrativas, departamentos internos e organizações do setor público; fato particularmente verdadeiro para os métodos do MCM. 

As vantagens dos métodos de DIC e de SC são que eles podem criar um retrato mais detalhado da saúde das corporações, mais do que as medidas financeiras, podendo ser facilmente aplicadas em todos os níveis de uma organização pois medem os eventos mais rapidamente, relatando-os de maneira muito mais acurada que as medidas financeiras puras (sem medidores de avaliação estratégica). Justamente por não exigirem medições financeiras, sendo também muito úteis para as organizações não-lucrativas, departamentos, empresas do setor público e aquelas envolvidas em projetos sociais e do meio ambiente.

Suas desvantagens são que os indicadores são contextuais e precisam ser personalizados a cada empresa e propósito, o que torna as comparações muito difíceis. Os métodos são igualmente novos e não facilmente aceitos pelos sistemas gerenciais e executivos mais afeitos e ver quase tudo sob a mais pura perspectiva financeira. Uma abordagem mais ampla pode gerar oceanos de dados, os quais são de difícil análise e comunicação.

Nenhum método pode atender todos os propósitos e necessidades; cada interessado deve selecionar o método mais recomendável conforme o propósito, a situação e o público interessado no trabalho (interno e externo).

Veja quadro com o resumo das principais metodologias.

Saiba mais: referências para as suas pesquisas

  • Abdolmohammadi, M.J., Greenlay, L. and Poole, D.V. (1999): Accounting methods for measuring intellectual capital. Available Online: http://www.round.table.com/scholars/articles/acctg-intellectual-capital.html
  • Andriessen & Tiessen (2000): Weightless Weight – Find your real value in a future of intangible assets. Pearson Education London
  • Bontis, N. (2000): Assessing knowledge assets: A review of the models used to measure intellectual capital. Working paper, Queen’s Management Research Centre for Knowledge-Based Enterprises. Available Online: http://www.business.queensu.ca/kbe
  • Bornemann, M. (1999): Empircal analysis of the intellectual potential of value systems in Austria according to the VAICä method. Available online: http://www.measuring-ip.at/Opapers/Bornemann/Empirical/EmpiricalAnalysisAustria.html
  • Brooking, A. (1996): Intellectual Capital: Core Assets for the Third Millennium Enterprise, Thomson Business Press, London, United Kingdom.
  • Campbell, D.J. (2000): Legitimacy theory or managerial reality construction? Corporate social disclosure in Marks and Spencer Plc corporate reports, 1969-1997 Accounting Forum, Vol. 24 No.1, pp. 80-100.
  • Edvinsson, L. and Malone, M.S. (1997) Intellectual Capital: Realizing your Company’s True Value by Finding Its Hidden Brainpower, Harper Business, New York, New York.
  • Johansson (1996): Human Resource Costing and Accounting. Available on line http://www.sveiby.com/
  • Kaplan, R.S. and Norton, D.P. (1992): The balanced scorecard measures that drive performance. Harvard Business Review, January-February, pp. 71-79.
  • Lev, B. (1999): Seeing is Believening – A Better Approach To Estimating Knowledge Capital in CFO magazine April 2000. Available on line http://207.87.9.12/html/charts/99FEseei-2.html
  • Luthy, D.H. (1998): Intellectual capital and its measurement. Available Online: http://www3.bus.osaka-cu.ac.jp/apira98/archives/htmls/25.htm
  • Pulic, A. (2000): An accounting tool for IC management. Available online: http://www.measuring-ip.at/Papers/ham99txt.htm
  • Roos, J, Roos, G., Dragonetti, N.C. and Edvinsson, L. (1997) Intellectual Capital: Navigating in the New Business Landscape, Macmillan, Houndsmills, Basingtoke.
  • Skandia Insurance Company (1995-2000): Visualizing Intellectual Capital in Skandia: Supplemenst to Skandia Annual Reports 1994-2000 Skandia Insurance Company, Stockholm, Sweden. Available on line: http://www.skandia.com/
  • Skyrme, D. and Associates (2000b) : Measuring intellectual capital – A plethora of methods. Available Online: http://www.skyrme.com/insights/24kmeas.htm#meas Accessed: October, 2000.
  • Standfield K (1998): Extending the Intellectual Capital Framework. Available on line http://www.knowcorp.com/article075.htm
  • Stewart, T.A. (1997) Intellectual Capital: The New Wealth of Organizations, Doubleday/Currency, New York.
  • Sullivan P. (2000): Value-driven Intellectual Capital. How to convert intangible corporate assets into market value. Wiley
  • Sveiby, K.E. (1997) The New Organizational Wealth: Managing and Measuring Knowledge Based Assets, Berrett Koehler, San Francisco, CA. Available on-line: http://203.147.220.66/IntangAss/MeasureIntangibleAssets.html
  • Williams M (2000): Is a company’s intellectual capital performance and intellectual capital disclosure practices related? Evidence from publicly listed companies from the FTSE 100 Paper presented at McMasters Intellectual Capital Conference, Jan 2001 Toronto

* Novas metodologias e propostas surgem todos os dias. O Professor Sveiby atualiza com freqüência as suas comparações, que podem ser verificadas em inglês no seguinte endereço: http://www.sveiby.com/Portals/0/articles/IntangibleMethods.htm

FacebookTwitterGoogle+Share

0 Comments

Leave a Reply


Spain Japan Russia Usa India